Enquanto o mundo todo vive as mudanças impostas pela pandamia do COVID-19 ainda em curso, enfrentando todos os desafios de 2020 e a mudança para o trabalho remoto, os cibercriminosos estavam se desenvolvendo para se tornar mais adaptáveis e extraordinários em 2021.

Mas assim como os cibercriminosos acompanharam o movimento de um mundo em mudança, os pesquisadores de ameaças do SonicWall Capture Labs também acompanharam todos os movimentos dos cibercriminosos e registraram onde eles atacaram, quais foram seus objetivos e que tipos de técnicas novas eles desenvolveram. Ao compilar essas descobertas no Relatório de Ameaças Cibernéticas da SonicWall 2022, se possibilita às organizações terem a inteligência de ameaça acionável que precisam para combater a onda crescente de crimes cibernéticos.

“É imperativo entender o conjunto de habilidades dos maus atores para impedir seus ataques direcionados e crescentemente sofisticados,” disse o Presidente e CEO da SonicWall, Bill Conner. “O Relatório de Ameaças Cibernéticas da SonicWall 2022 ressalta a praga crescente de ransomware e de outras tentativas de extorsão digital.”, completa.

O Brasil, em especial, apesar de tido uma queda de 31% no número de vazamento de dados entre 2019 e 2020, o país ainda ocupa o 6º lugar entre as 20 regiões do mundo mais atingidas pelo problema no ano passado. Estima-se que 24,2 milhões de perfis de brasileiros tiveram. Por isso, é necessário ter planos de contingência e resposta a incidentes, para que seja possível mitigar ao máximo os danos às pessoas e às empresas e para que isso seja feito, é essencial conhecer quais são as ameaças.

Confira agora algumas das principais descobertas do Relatório SonicWall.

Clique abaixo para fazer o download do Sumário Executivo de Ameaças Cibernéticas, em português ou o Relatório de Ameaças Cibernéticas da SonicWall 2022 completo, em seu original, em inglês.